WhatsApp: Lado Negro ou Lado da Luz?



Boa tarde, pessoal, tudo bem?

Dias atrás, publiquei no Stories do Instagram do blog (segue lá @belvfuniverse) sobre algumas atitudes que eu decidi tomar para que a minha vida se tornasse mais produtiva e meu tempo, melhor aproveitado.

A primeira atitude que tomei foi em relação ao uso desenfreado do WhatsApp.

Desde que comprei o meu primeiro smartphone (um SII Lite que funciona até hoje! Adoro ele!), o WhatsApp foi o primeiro aplicativo que instalei. E, claro, sei que é super irresistível conversar com o crush (neste caso, meu marido) ou colocar a conversa em dia com as amigas. Sem falar na zoeira sem fim que permeia os grupos e a gente não resiste em repassar para outros tantos grupos.

Enfim, no início, eu não tinha tantos contatos, levei tempo até ser incluída em um grupo. Daí, então, a coisa foi ladeira abaixo. Não podia ouvir um som de notificação que eu já corria ver o que era e, muitas vezes, nem era o aplicativo. Esse vício me prejudicou muito nos estudos e no trabalho.

Muitas vezes, pensava "Vou dar só uma olhadinha". Depois que me dava conta, já havia passado coisa de horas (sim, HORAS!) e eu havia deixado de estudar o que precisava ou havia desperdiçado o tempo que poderia ter lido aquele livro que está há meses na pilha de leitura.

Eu estava tão mergulhada no WhatsApp que, antes de dormir, eu passava horas procurando coisas no Instagram para baixar e espalhar nos grupos ou mandar para alguém. E vocês não fazem ideia do que isso fez com o meu sono. Eu tinha o hábito de ir dormir sempre entre 22h e 23h. Depois que passei a ficar grudada no smartphone, eu passei a dormir entre 0h e 1h. Dormia super pouco e meu rendimento em muitos aspectos foi abaixo.

Pensei que isso fosse uma fuga devido ao momento que eu estava vivendo no trabalho, então, acabava por fazer isso para me distrair. Entretanto, em Dezembro de 2017, eu saí do emprego, decidi tomar uma atitude radical na minha vida, pois não era mais feliz. Enfim, saí do trabalho, me casei e me mudei para a Bahia com meu marido.

Só que... o uso do WhatsApp não mudou. Continuava no mesmo padrão de uso e tudo continuava bagunçado, dentre outros aspectos. Como eu estava lendo muito pouco e queria começar o blog, eu precisava de mais tempo. Foi aí que eu comecei a listar as coisas que me atrapalhavam e o topo da lista foi ocupado pelo aplicativo do ícone verde.

Ele estava me levando para o fundo, como uma bola de ferro amarrada ao meu pé e não me deixava fazer nada por mais de 20 minutos seguidos. Preocupante, não?

O que eu fiz, pode parecer ofensivo ou afrontoso para quem está no meu WhatsApp (hehehehe) é que eu silenciei todo mundo. Sim, passei a deixar todos os contatos silenciados, com exceção, claro, do meu marido, meu pai e meu irmão. Família, né?

Silenciei tudo de uma forma que não aparece nenhuma notificação, nem quando o celular está bloqueado ou desbloqueado. Silenciado por 1 ano e notificações desativadas. Foi um detox perfeito desse aplicativo.

Logo nos primeiros dias, já notei a diferença no meu tempo no celular. Como não ouvia notificações, eu não pegava o celular e, até que certo ponto, eu me esquecia por alguns momentos de checar as mensagens. Há dias que eu olho pela manhã e só vou lembrar de olhar à noite, quando meu pai me chama para conversarmos.

E, sendo sincera, é possível viver assim, usando somente nas horas certas e com muita moderação. Essa coisa de smartphone é muito, mas muito útil, tanto que converso com meus pais, que estão no estado de São Paulo, todos os dias pela ligação com imagem. É um salva vidas, amenizador da saudade. Porém, a linha entre o Lado da Luz e o Lado Negro do uso do WhatsApp é muito tênue e, quando você menos percebe, está sendo sugada pelo buraco negro da zoeira.

Há pessoas que o utilizam para o trabalho e, realmente, necessitam estar atentos às mensagens a todo momento. Meu marido é assim com os clientes e não é fácil ter que dar atenção a eles em um domingo ou à noite durante o jantar. 

Não é só o WhatsApp, mas tudo com relação a essas tecnologias deve ser dosado, do contrário, tudo isso acaba virando uma arma contra nós mesmos.

Se você não sabe como silenciar o WhatsApp ou contatos específicos, clique AQUI e veja esse vídeo que ensina como fazer isso. 

Silenciar uma pessoa não significa que você não quer mais conversar com ela (apesar de muitos entenderem assim), mas sim que sua vida fora da internet vem primeiro e isso é um direito de todos que não deve ser violado.

Em breve, trarei mais atitudes que tomei para melhorar o meu tempo.

Beijos,


Share:

0 comentários

Obrigada pelo seu comentário! Responderei assim que possível!