A vida e as aventuras de Nicholas Nickleby (Charles Dickens)


Sinopse

A família do jovem Nicholas Nickleby parte para Londres após a morte do patriarca, profundamente endividado, deixá-los na miséria. Na metrópole, os Nickleby buscam o auxílio de um parente abastado, porém de caráter duvidoso, com quem Nicholas, íntegro e corajoso, logo se indispõe. Desamparado, resta ao rapaz forjar seu próprio caminho, deparando com empregos ultrajantes e abusos, mas descobrindo também amigos leais e vocações surpreendentes. O caráter episódico de A vida e as aventuras de Nicholas Nickleby permite a Dickens explorar uma vasta galeria de tipos excêntricos – falsos educadores, órfãos abandonados, larápios, atrizes e vedetes –, num retrato ora mordaz, ora bem-humorado, da dura vida na metrópole inglesa no século XIX.

Personagens

Nicholas Nickleby, o protagonista, é o herói da história. É o típico personagem mocinho bom de Dickens, com muitas qualidades, bondade e belo. Sua irmã, Kate, também é a boa moça, toda tímida, bela e bondosa.

""Ele é um homem estranho", pensou Nicholas. "Mas, e daí? Porson era um homem estranho, como era o Dr. Johnson; todos os amantes dos livros o são"" - Pág. 67

A mãe deles, viúva, é uma pessoa que, quando entra em uma conversa, a monopoliza e pula de um assunto para outro, afastando-se do assunto da conversa sem necessidade. Foi a personagem mais difícil de tragar (Chata mesmo).

Representando o antagonista de Nicholas, temos o seu tio, Ralph Nickleby, que estará em conflito com o sobrinho até o final do livro.

Por fim, temos o sr. Squeers, dono do lar para garotos em Yorkshire. Personagem horrível.


Enredo

O livro começa com o falecimento do sr. Nickleby, pai de Nicholas e Kate. Ele estava muito endividado e acaba deixando a família em condições precárias de sustento. Com isso, a mãe e os irmãos decidem deixar seu lar no campo e partir para Londres em busca de auxílio. A pessoa à qual apelarão por ajuda é o irmão do falecido pai, Ralph Nickleby, que fez fortuna trabalhando com empréstimo de dinheiro, associado à mesquinhez e avareza. Sem demora, o autor já deixa claro que Ralph possui caráter duvidoso e será o antagonista do herói durante o livro.

Ralph não faz questão de esconder sua insatisfação com o pedido de ajuda, afinal, ele não tinha contato com a família do irmão e deixa claro que o sustento dos parentes não é da conta dele. Então, ele começa a arrumar um jeito de ser ver livre dos três.

Para livrar-se de Nicholas, Ralph arranja para ele um emprego em uma escola para garotos, chamada Dotheboys Hall, dirigida pelo sr. Wackford Squeers. Na época da publicação do livro, a denúncia que Dickens faz a respeito dessas “escolas” gera muita polêmica, pois, seus alunos não eram bem tratados e eram mantidos em condições precárias, sem falar que sofriam agressões físicas e psicológicas.

Nicholas, a princípio, se empolga com a ideia de dar aulas para os garotos, mas, quando chega ao local e percebe as reais condições de tratamento e vida, ele começa a revoltar-se, até que um dia, ele parte para agressão física e tem uma briga feia com o sr. Squeers (a capa do livro é cena da surra que Nicholas dá no diretor). Em seguida, ele foge da escola, junto com um dos alunos, o Smike (muito importante na história!) e passa por várias situações.

Em Londres, Ralph consegue um emprego para Kate para trabalhar com uma chapeleira. Certo dia, o tio a convida para ir a um jantar, mas, o que Kate não imaginava é que haveria apenas homens no local e, como eles eram grosseiros, ela acaba sendo humilhada e sai muito triste, sofrendo muito pelo que houve, afinal, naquela época, não era bem visto uma mulher solteira estar sozinha com homens.

Enfim, o livro será repleto de encontros e reencontros, Ralph atrás de Nicholas e vice versa, pois, não se gostaram desde o início. Dickens vai colocar sofrimentos na vida da família Nickleby, assim como pessoas bondosas que os ajudarão e amigos, para, no final, tudo ser resolvido. Típico do nosso Dickens.

Seguem uns aperitivos para vocês curtirem um pouquinho da escrita de Dickens:

"(...) Lembrar-se da felicidade que não se pode voltar a gozar é uma dor, mas um tipo suavizado. Nossas recordações são, infelizmente, misturadas com muito daquilo que lamentamos, e com muitas atitudes das quais nos arrependemos amargamente; entretanto, numa vida mais variada, tenho convicção de que há tantos pequenos raios de sol para os quais podemos voltar nossas recordações, que não acredito que nenhum mortal (a menos que esteja numa total situação de desespero) derramaria por vontade própria um copo das águas de Lethe, se tivesse esse poder" - Pág. 96-97

""Ira" é uma palavra curta, mas representa a mais estranha e confusa massa de sentimentos e combinação de discórdias entre os polissílabos na língua" - Pág. 171

"Os sonhos são criaturas brilhantes de poemas e lendas, que se divertem na terra à noite e se dissolvem ao primeiro raio de sol, que lança sua luz sobre o sofrimento inexorável e a dura realidade em sua peregrinação diária pelo mundo" - Pág. 182

"O dia transcorreu lentamente e todo esse colorido brilhante perdeu sua intensidade, assumindo um tom ameno, como as jovens esperanças suavizadas pelo tempo, ou os traços da juventude transformando-se aos poucos no sossego e na calma da idade. Eles, porém, não eram menos belos em seu lento declínio do que quando ainda em seu auge, pois a natureza confere beleza a cada idade e estação; e, da manhã à noite, assim como do berço ao túmulo, não há senão uma sucessão de mudanças tão suaves e leves que mal notamos seu progresso" - Pág. 319


Minhas Impressões

O livro é uma típica aventura da sessão da tarde, de dar aquele quentinho no coração quando os nossos heróis se dão bem ou quando descobrimos que alguém ainda está vivo. Amo os livros do Dickens por isso, por retratar o ser humano com suas falhas e, entretanto, sobrepujar tudo isso com a bondade que as pessoas ainda são capazes de exercer na vida do próximo. A maioria dos acontecimentos são previsíveis, com cenas altamente baseadas em coincidências das grandes. Em alguns trechos do livro, é bem fácil de perceber o que o autor está querendo fazer para que um personagem se encontre com outro.

Não existe desenvolvimento de personagem, pelo menos, não notei nenhum crescimento substancial na essência de nenhum personagem. Os personagens do início serão os mesmos que você encontrará no final do livro. Mas não foi algo que tenha me incomodado, afinal, a estória ficou mais focada nos fatos e na relações. Dickens tem uma escrita leve e gostosa, e ele é ótimo para escrever tanto os diálogos quanto narrativas, não adianta, sou fã mesmo dele. Mas...



… Meus Deus, que livro comprido!

Essa edição tem uma diagramação perfeita para ler, principalmente, para nós, os míopes, entretanto, o problema está na estória em si. O ritmo muda muito, ficando lento a maior parte do tempo. E, eu acho que poderia ter sido um pouco encurtado, principalmente na questão dos diálogos da mãe, a sra. Nickleby, a personagem mais chata do livro. Acho que foi por volta da página 550, eu deixei o livro parado por quase duas semanas, pois, me cansou demais o fato da estória não andar mais depressa.

Apesar desses pontos negativos (desenvolvimento de personagem e lentidão da estória), eu amei o livro e fiquei com alguns personagens para sempre no coração (Noggs <3) e sempre me pego lembrando de alguns pontos. Livro bom é quando ele fica pulando na nossa memória assim. Foi uma experiência muito boa mesmo e é um livro que eu recomendo a quem adora o Dickens. Só não indico começarem a leitura de Dickens por Nicholas Nickleby, pois, não é a melhor obra dele. Dentre os 3 lidos, ele foi o que eu menos gostei. Grandes Esperanças ainda é o meu favorito e super recomendo começar por ele, pois, deu muito certo no meu caso.

Só um alerta: NÃO SE DEIXEM LEVAR PELA NOTA DO LIVRO NO SKOOB! Infelizmente, as notas foram atribuídas por usuários que queriam, de alguma forma, atacar a editora por não fazerem um livro tão bonito. Tanto que as resenhas só falam da edição e não da obra do autor. Leiam o livro até o final (ele está ótimo para a leitura, sério) e tirem suas próprias conclusões pela obra e não pela capa, ok? ;) (Eu também não gostei da capa do livro, mas isso não tira o mérito do autor, nem diminui sua qualidade).

Nota da leitura: 4.5 (de 5.0)


Dados da edição:
Livro: A vida e as aventuras de Nicholas Nickleby
Autor: Charles Dickens
Editora: Amarilys
Número de páginas: 909
Ano de publicação: 2017

Beijos,


Share:

0 comentários

Obrigada pelo seu comentário! Responderei assim que possível!